sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Flanando pela Alsácia

Alsácia ! Sim, em meados de 2015, a BIP - a Busca Incansável do Prazer, nos levou à Alsácia, a pequenina região situada na fronteira entre a França e a Alemanha. Na verdade, nos últimos 400 anos, essa região já fez parte, alternadamente, dos dois países. Sabemos que estamos na França, mas os nomes das cidadezinhas e dos vinhos soam extremamente germânicos.

A região toda é formada por uma faixa de terra de pouco mais de 80 km de extensão, com menos de 20 km de largura - você cruza a região toda, de carro, em uma hora, se não parar em nenhuma das cidadezinhas ou vilarejos.

E isso seria, obviamente, uma tolice sem tamanho - o grande charme de passear pela Alsácia está precisamente em desfrutar, com muita calma, sem pressa, cada um dos lindos vilarejos que a compõem, caminhando pelas ruas estreitas e sinuosas, contemplando as casinhas feitas quase sempre com aquela estrutura de madeira aparente (eles chamam esse estilo de colombage), bebericando, aqui e ali, os vinhos brancos que fazem a fama da região.


Tereza, diante da célebre colombage

 As cidades de Estraburgo, ao norte (a capital da Alsácia), e de Colmar, ao sul, praticamente delimitam os extremos da região. No meio, dezenas de vilarejos encantadores, com nomes meio difíceis de pronunciar : Obernai, Selestat, Dambach-La-Ville, Ribeauvillé, Riquewihr, Eguisheim - este último é o preferido da Tereza ! Todos são semelhantes, e todos estavam incrivelmente enfeitados de flores por todas as partes. Em muitas delas, podemos avistar simpáticas cegonhas aboletadas em seus ninhos, no alto das torres.




Todas as cidades encontram-se literalmente cercadas pelos vinhedos, que vêm até a borda das ruazinhas medievais.

Quanto às uvas, planta-se por lá muita gewürztraminer, muita pinot gris (a mesma pinot grigio dos italianos), uma curiosa pinot auxerrois e, acima de tudo, a rainha da Alsácia - a riesling, que ocupa quase 25 % de todo o território.

Ao longo da região, cerca de 40 vinhedos recebem a classificação de Grand Cru - ou seja, são considerados vinhedos especiais, produzindo vinhos de qualidade superior. É claro que, como em qualquer lugar do mundo, essa classificação por si não garante que o vinho a ser bebido será ótimo - é apenas uma indicação que se trata de um terroir com características diferenciadas.

De forma geral, não bebemos nada que nos tenha encantado - vinhos bons, sem dúvida, e capazes de harmonizações excelentes com os pratos da culinária local - mas nenhum que nos tenha arrancado suspiros emocionados ...

Uma dessas boas harmonizações (e que foi também surpreendente, para nós) aconteceu na bela cidade de Colmar, no restaurante chamado Le Caveau de St. Pierre. Comemos o famoso chucrute alsaciano, pratos enormes e de sabor acentuado, com até 8 tipos de carnes diferentes : porco, frango, linguiças, salsichas ... Para beber, elegemos um Riesling Grand Cru Saering Domaines Schlumberger 2010. Ao provar o vinho, ele nos pareceu adocicado demais - e duvidamos muito que ele realmente harmonizasse com comida tão - digamos - poderosa ...



Surpresa ! Foi uma combinação ótima, contrastando os sabores, e com a acidez do vinho realçando e valorizando a comida. Vale, como sempre, a velha regra : sempre que possível, combine a comida e os vinhos próprios da região. Afinal, eles vêm aprimorando essa harmonização há alguns séculos ...

Enfim - uma região linda, chegando a ser deslumbrante em alguns pontos específicos, abastecida com vinhos bons sem ser magníficos. Exatamente o oposto do que vimos / bebemos na Borgonha ...


sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

A complicada e deliciosa região da Borgonha

Nunca consegui entender muito bem a classificação oficial dos vinhos da Borgonha. Fui “obrigado” a viajar até lá para compreender melhor essa complicação toda (ah, quantos sacrifícios sou forçado a fazer para satisfazer a curiosidade de meus milhares de leitores …)

A Borgonha não é uma região especialmente bonita para ser visitada como turista – exceção feita à bela cidade de Beaune e à belíssima e riquíssima cidade de Dijon. A rota dos vinhedos propriamente dita não tem nada de especialmente bonita.

Já os vinhos … ah, os vinhos da Borgonha !! Só o fato de a gente ir rodando de carro pela estradinha e passando pelos mitológicos vinhedos e cidadezinhas (Montrachet, Nuits-Saint-Georges, Gevrey-Chambertin, Chassagne-Montrachet, Aloxe-Corton, Vosge-Romanée, Meursault …) já vale a viagem, para o pessoal que curte vinhos como Tereza e eu.

Mas, sim, a classificação !

Bem, a Borgonha é retalhada em alguns milhares de pequeninos vinhedos, que formam aquilo que os autores mais antigos (como o Saul Gavão) chamavam de mosaico borguinhão.

Os vinhos produzidos nesses vinhedos são classificados em quatro categorias :

  •        Os mais comuns são produzidos com as uvas plantadas nos vinhedos da planície – são os chamados genéricos, que trazem no rótulo apenas Bourgogne ou, no máximo, Bourgogne Pinot Noir. São bons vinhos, mas vinhos comuns – são os mais fáceis de serem encontrados por aqui, no Brasil, e não são muito caros.

  •        A seguir, vêm os vinhos mais típicos, ainda dos vinhedos da planície. Eles são chamados de village, e trazem no rótulo o nome da cidade onde estão localizados : Gevrey-Chambertin, Aloxe-Corton, Nuits-Saint-George, GivryPuligny-Montrachet, e assim por diante. Às vezes, os seus rótulos também trazem o nome de um vinhedo específico, abaixo do nome da village. Já são bons vinhos, e já são também vinhos um pouco mais caros.

  •        A terceira classificação abrange os vinhos produzidos a partir dos vinhedos que estão no início da encosta das colinas. Eles são chamados de 1er Cru, que é uma classificação superior, atribuída a um vinhedo específico. Na village de Gevrey-Chambertin, por exemplo, há 24 vinhedos que mereceram esta classificação. São vinhos, em geral, excelentes, e beeeeeem caros, ao redor de 50/60 euros. Mesmo por lá, na própria região, definitivamente não são vinhos pra todo dia …

  •        A quarta classificação – o top dos tops – inclui os vinhos provenientes dos vinhedos que estão mais no alto, no meio da encosta. Por receberem melhor insolação, e por conta do terreno, alguns desses vinhedos recebem a classificação máxima : são os Grand Crus. São os vinhos mitológicos, maravilhosos – e caríssimos ! Custam, em geral, acima de 100 euros, e podem chegar a 300, 400 euros facilmente. Imaginem o preço com que chegam ao Brasil ! Na village de Gevrey-Chambertin, apenas 14 vinhedos são considerados Grand Crus. Em toda a Borgonha, apenas cerca de 40 vinhedos merecem esta classificação.

Essa classificação se reproduz, mais ou menos, em cada uma das cerca de 20 cidadezinhas, ou villages que se estendem a partir de Dijon, em direção ao sul.  

Bom, isso foi o que eu consegui compreender. Não vou botar minha mão no fogo para garantir que esteja tudo certinho – correções de gente mais bem informada do que eu serão muitíssimo bem-vindas !


quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Ostradamus !!!

No final do ano passado, a BIP – a Busca Incansável do Prazer – nos levou até Florianópolis, para visitar nossos queridos amigos Ester e Alex. Estivemos por 4 dias conhecendo o sul da ilha, onde nunca havíamos estado antes. É uma região muito bonita, marcada fortemente pela memória dos açorianos – os portugueses do arquipélagos dos Açores que, no século XVIII, imigraram em massa para o Brasil e estabeleceram-se em Santa Catarina.

Tivemos por lá um ótimo almoço no Restaurante Ostradamus – sim, o nome é esse mesmo, num evidente trocadilho com o famoso profeta seiscentista francês e as ostras, que são o prato forte do restaurante e, por sinal, um dos grandes atrativos gastronômicos da ilha.

O Ostradamus fica em Ribeirão da Ilha, em sua parte sul. Comemos por lá ostras preparadas de diversas maneiras, todas deliciosas.

Para beber, escoltando nossas ostras fresquíssimas, elegemos – surpresa ! – vinho.

O sommelier da casa, muito gentil, atencioso e extremamente bem informado, nos levou para uma estimulante visita à bela adega subterrânea do restaurante.

Seguindo uma recomendação do próprio sommelier, demos início aos trabalhos com um espumante Viapiana 575 Brut, produzido em Flores da Cunha, Rio Grande do Sul, pela vinícola Viapiana.

Elaborado pelo tradicional método champenoise, com 80 % de Chardonnay e 20 % de Riesling Itálico, é um espumante fresco e de boa acidez. A passagem de 9 meses em barricas de carvalho francês adiciona-lhe um certo aroma de baunilha, e o vinho tem um final prolongado e agradável. O nome do vinho – o tal “575” – é o número de dias (cerca de 20 meses) em que ele passa em contato com a borra antes do final da vinificação.

Não chegou a nos maravilhar, mas não decepcionou, absolutamente.

Seguimos a refeição com outro vinho sugerido pelo sommelier : um Garzón Albariño 2015, produzido em Maldonado, Uruguai, com a tradicional uva espanhola. Aromas florais e cítricos, fresco e levemente mineral na boca, acompanhou bem a nova rodada de ostras.

Também não foi encantador, mas esteve longe de nos desapontar. Na verdade, Tereza e eu bebemos coisas bem superiores em uma recente visita ao “paysito” vizinho – falarei disso em um dos meus próximos posts.

Enfim, a destacar nesta nossa visita ao Restaurante Ostradamus : a boa comida, o local agradabilíssimo, e o excelente tratamento que recebemos por parte dos garçons, do maître e do sommelier. Ao final da refeição, depois de jogar fora muita conversa fiada sobre vinhos com a equipe, ainda fomos brindados com um belo fecho : umas tacinhas de vinho do Porto que nos foram oferecidas como cortesia …

No vou nem mencionar, por absolutamente desnecessário, a excelente companhia dos nossos queridíssimos amigos !


Este humilde blogueiro, Tereza, e nossos grandes amigos Ester e Alex -
parecemos todos bem chateados, não ?


quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

De volta - e derrubando (meus) preconceitos !

E aqui estou eu, de volta, após alguns anos de pura preguiça ! Incentivado – ou, mais precisamente, “comandado” – por minha mulher, Tereza, estou reativando meu velho blog, que já me deu vários prazeres e algumas pequenas contrariedades …
E volto bastante mudado – felizmente, acho que estou conseguindo vencer, um a um, meus velhos preconceitos. Um destes preconceitos – conhecido por quem costumava ler este blog – sempre foi muito ativo e presente contra os vinhos tintos brasileiros. Sempre achei que a gente produz, no Brasil, excelentes espumantes, alguns brancos muito bons – e tintos sofríveis !
Pois saibam vocês que o que me motivou a retomar este blog foi exatamente a qualidade de alguns vinhos tintos brasileiros que andei provando por aí afora.
Tereza e eu continuamos viajando intensamente, dando andamento a nossa velha “missão”, a BIP – a Busca Incansável do Prazer. Neste final de ano, a BIP nos levou a Tijucas do Sul, no Paraná, a cerca de 40 km de Curitiba. Lá estivemos em um simpático hotel chamado, ainda mais simpaticamente, La Dolce Vita.
Lá pertinho, tivemos a chance – um tanto desconfiados – de visitar a Vinícola Araucária, na cidade de São José dos Pinhais. Pois é, estão produzindo vinhos tintos e brancos no Paraná, bem acima do famoso paralelo 30º, longe, portanto, das manjadas regiões vinícolas do extremo Sul do país.
Com uvas francesas e italianas plantadas em apenas 3 hectares (de solo argiloso e cheio de pedras), a Vinícola é bem nova : iniciou sua produção em 2008. Fomos guiados, na nossa visita, pelo sommelier Fábio, simpático, entusiasmado e profundamente interessado no seu trabalho. Ele nos conduziu em um passeio pelos vinhedos, onde pudemos ver – ainda nascentes – os belos cachos de chardonnay, de pinot noir, de viognier
E provamos os vinhos, obviamente !
O espumante Poty, produzido pelo método champenoise, nas versões Brut, Demi-Sec e Nature não chegou a nos empolgar muito.
Partimos então para os tintos, que consideramos sempre como o grande desafio – e nossa surpresa foi grande e muito, muito positiva.
Provamos o vinho de entrada da Vinícola – o Gralha Azul Cabernet Franc 2014, que nos agradou muito – até pela ousadia de produzir um varietal meio “raro” por estas bandas. Com breve passagem por madeira, o vinho se mostrou complexo, com aromas de frutas vermelhas e negras amadurecidas, e nuances de couro e especiarias. Na boca, um vinho equilibrado, com taninos macios.
Depois, entornamos um belo Angustifólia Cabernet Sauvignon 2010, com estágio de 18 meses em barricas novas de carvalho francês. Este vinho, bem mais estruturado que o primeiro, mostrava aromas complexos, uma boa acidez, e um final prolongado e marcante – e terminamos nossa experiência com o mesmo vinho, da safra de 2009, considerada especialíssima pelo nosso guia Fábio.Belo vinho, com as boas características do primeiro ainda mais acentuadas.



Enfim, uma grata e surpreendente experiência, capaz de derrubar até mesmo meus mais empedernidos preconceitos …
A Vinícola Araucária ainda produz vinhos de merlot e chardonnay – não provamos por lá, mas trouxemos algumas garrafinhas pra casa … Ah ! – e eles têm também um belo restaurante, o Gralha Azul, onde fizemos uma ótima refeição – evidentemente, harmonizada com os vinhos da casa …
Parabéns ao pessoal da Araucária !

Vista do restaurante, a partir do vinhedo 

Sala de degustação da Vinícola