quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Pra não dizer que eu não falei das cervejas ...

Bem, pra provar que nem só de vinhos vive este blog, e pra demonstrar que nem só de merlots e chardonnays se embriaga este pobre blogueiro, aqui vai um post sobre um local ótimo para degustar … cervejas !

Estivemos esta semana em um local chamado Experiência Cervejeira : um misto de loja e bar de cervejas diferenciadas, que também serve chope e alguns petisquinhos.

O Experiência Cervejeira tem cerca de 120 rótulos diferentes, entre nacionais e importados – nem é preciso mencionar que as brahmas e skols da vida não estão disponíveis por lá …

O atendimento é feito pelo proprietário, o simpático Sidney, sommelier de cervejas profissional. Com seu grande conhecimento e sua imediata empatia com a clientela, o Sidney está lá com a duríssima missão de guiar o bebedor de cerveja por entre o imenso cipoal de rótulos, marcas, tipos, países e variedades disponíveis. Sim, meus amigos, o mundo da cerveja já é tão – ou mais ! – complexo que o nosso habitual mundinho dos vinhos !

Uma coisa muito legal é você encontrar no cardápio algumas “experiências” diferentes (daí o nome do local) – são harmonizações entre as cervejas e os petiscos, que são servidos em um display especialmente fabricado para esse fim.

Provei por lá três “experiências” distintas :

A primeira experiência envolvia queijo camembert e uma cerveja canadense de trigo, chamada Blanche du Paradis, da cervejaria Dieu du Ciel ! (o ponto de exclamação não é meu, faz parte mesmo do nome da cervejaria ! – este último é meu). A cerveja é leve e refrescante, com aromas cítricos e de especiarias – e a combinação com a cremosidade do queijo foi ótima.

A segunda experiência foi com linguicinhas de Blumenau e uma cerveja brasileira de puro malte cujo nome minha incompetência bloguística me impediu de anotar …

Ainda bebericamos uma Edelbrau Dunkel, produzida em Nova Petrópolis, Rio Grande do Sul. Uma cerveja escura de baixa fermentação, com um delicioso aroma de tostado.

Para fechar a brincadeira, mais uma “experiência” – a cerveja era a belga Kriek Boon, uma cerveja do tipo lambic, feita com a adição de cerejas inteiras. E a harmonização – pasmem vocês, como eu mesmo pasmei-me – foi com brigadeiro de colher de chocolate branco ! A untuosidade e a doçura do chocolate branco combinaram maravilhosamente com o doce-azedinho da cerveja, com um irresistível sabor de quero-mais.

A incrível harmonização de chocolate branco e cerveja

Eles também vendem por lá o chope (sempre variado) em belos garrafões de vidro, chamados de growlers, que você pode levar pra casa e, depois de devidamente bebido o conteúdo, voltar à loja para enchê-lo de novo – um charme !

Apresento a vocês, senhoras e senhores - o growler !


Enfim, de uma coisa estamos seguros – quando estivermos com vontade de fazer uma pausa no nosso nunca jamais cansativo vinhozinho-de-cada-dia, a parada certa será a Experiência Cervejeira.