quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Ainda sobre o Chianti ...


Meu querido amigo Geraldo Mallozzi, apoiador deste blog desde as primeiras linhas, me pergunta, em email à parte, qual é o significado do selinho com um galo negro que a gente às vezes encontra nas garrafas de Chianti - ótima pergunta, que me dá a possibilidade de falar um pouquinho mais sobre este delicioso vinho da Toscana !

Os italianos criaram, em algumas regiões, as associações de produtores de vinhos que eles chamam de consorzio. Existem consorzi dos produtores de Chianti, de Brunello di Montalcino, de Soave, de Vino Nobile de Montepulciano, e assim por diante. O papel desses consorzi é zelar pela qualidade e pelas regras de produção desses vinhos - naturalmente, os italianos fazem isso com um olho no marketing, já que "garantir a qualidade" dos seus vinhos equivale sempre a garantir os preços altos ...

O interessante é que, em alguns casos, as regras de produção estipuladas pelos consorzi são mais rígidas e mais estritas do que aquelas definidas pelos órgãos governamentais. Ou seja - o vinho que traz o selo do consorzio tem uma garantia de qualidade um pouco superior àquela dos vinhos que não têm o tal selo. Claro que só faz parte do consorzio o produtor que deseja fazê-lo - em tese, ele vai ter mais dificuldades e mais regras para produzir o seu vinho, e em troca, pode cobrar mais caro por isso.

Os produtores do nosso Chianti Classico têm um desses consorzi : é o Consorzio del Vino Chianti Classio Gallo Nero. Como foi dito, os vinhos que ostentam esse selinho que está lá no alto dessa página, em tese, são vinhos que foram produzidos segundo regras bastante restritivas - há, portanto, uma expectativa de que a qualidade deles seja superior aos demais (e os preços também, é evidente ...)

E qual a razão de ter sido escolhido o tal do galinho negro como símbolo do consorzio ? Bem, como tudo na Itália, há uma lenda que explica essa escolha. Segundo a lenda, a região de produção do Chianti era disputada, na Idade Média, pelas poderosas cidades de Florença e de Siena. As disputas entre as duas cidades eram sangrentas - pois, lá um belo dia, elas resolveram decidir a questão. Cada uma das cidades elegeu um de seus mais afamados cavaleiros. Os dois deveriam partir, cada um de sua cidade, numa manhã bem cedinho - ao cantar do galo. O ponto em que os dois cavaleiros se encontrassem seria considerado oficialmente como a divisa ente os dois territórios.

O pessoal de Siena escolheu um galo para cantar logo cedo - um galo branco, forte e bonito, muito bem alimentado. A esperança é que um galo assim, tão portentoso, cantaria muito alto, sua voz logo seria ouvida pelo atento cavaleiro, que poderia sair mais cedo da cama e cavalgar por mais tempo.

O pessoal de Florença, muito malandro, foi na direção oposta - escolheu um galo preto e velho, fraquinho, e ainda por cima não lhe deram comida ... O coitadinho, faminto, cantou muito antes do outro, de pura fome - e o valoroso cavaleiro florentino saiu mais cedo e ganhou mais terreno na terra do Chianti ...

Bacana, né ? Verdade ou lenda - não vem ao caso, é claro. O fato é que o Gallo Nero virou o grande símbolo da terra do Chianti. Nos anos 90, quando o consorzio do Chianti foi formado, ninguém tinha dúvidas sobre qual seria o símbolo adotado.

Em tempo - a região do Chianti é uma das regiões mais lindas do mundo, com suas colinas e ciprestes, suas incontáveis vinícolas e suas adoráveis cidades medievais - Florença, Siena, Pienza, Radha, Gaiole, Castellina ...

Ah, que saudades !! Quase me vêm lágrimas à boca ...