sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Como fazer visitas às vinícolas

Nestes tempos em que o tal do enoturismo virou uma febre, é muito comum que as agências de turismo do país organizem visitas a vinícolas - podem ser as domésticas, do Vale dos Vinhedos, lá no Rio Grande do Sul, ou as do exterior - Mendoza, Chile, Toscana, Napa Valley, e por aí afora.

Meu amigo Fábio, grande incentivador (na verdade, um dos "pais" intelectuais) deste blog, uma vez me perguntou como fazer uma visita desse tipo. É claro que as vinícolas que decidem abrir-se ao turismo têm um programa de visitas pronto, que passa pelos vinhedos, pela produção, pelos locais de armazenamento dos vinhos - e que invariavelmente terminam nas famosas degustações. Mas é claro, também, que as vinícolas estão preocupadas acima de tudo com o seu próprio marketing, e que não vão entregar de bandeja ao visitante ocasional os seus problemas, os seus defeitos, os seus pontos fracos.

A pergunta do Fábio, portanto, procede - há alguns aspectos que são interessantes de serem focados, principalmente se a gente está de fato querendo formar uma opinião sobre a qualidade dos vinhos e a qualidade da própria vinícola. Se este não é o seu caso, se você está pensando apenas na diversão turística da visita, simplesmente faça a reserva vá até lá, e enjoy it. Caso contrário, continue lendo !

1 - A propriedade dos vinhedos - pergunte ao guia se o vinho é produzido na vinícola exclusivamente com uvas de vinhedos próprios, ou se eles compram uvas de terceiros. Este é um ponto importante - se há uvas compradas, fica mais difícil para o produtor garantir a qualidade, as características do terroir, o cuidado nos métodos de plantio, etc.

2 - Distância entre os vinhedos e a cantina - Cantina, claro, é o local da produção do vinho propriamente dita. Se os vinhedos ficam muito distantes, as uvas deveriam ser tansportadas em caminhões refrigerados. Caso contrário, o acúmulo dos cachos em longas distâncias pode dar início a um indesejado processo de fermentação natural. Para combater isso, alguns produtores - digamos - menos cuidadosos espalham sobre as uvas o famoso anidrido sulfuroso, que realmente retarda o início da fermentação - em compensação, quando usado em excesso, deixa no vinho um desagradável laivo amargo.

3 - Produção - como é controlada a temperatura de fermentação ? A fermentação é um processo delicado : pequenas variações na temperatura podem amortecer as leveduras responsáveis pelo processo. Produtores de primeira linha que usam tanques de inox costumam ter duas ou três cintas ao redor do tanque, em diferentes alturas, medindo e controlando essa temperatura.

4 - Amadurecimento do vinho - pergunte ao guia se a vinícola mantém todo o seu vinho em barricas de carvalho - ou se usam os famigerados chips. Pra quem não sabe, há gente por aí que, ao invés de estocar o vinho em barricas de carvalho, joga dentro dele os tais chips - aparas de carvalho que ficam lá dentro para dar o "toque de carvalho" que o mercado demanda. Como diz o Mário Trano, autor do delicioso blog MondoVinho, esses caras, ao invés de botar o vinho na madeira, botam a madeira no vinho ...

Bem, o post já está longo demais - voltarei ao tema outro dia.

8 comentários:

Mario Trano disse...

Nivaldo,
Está de parabéns, como sempre inclusive, para este post super-inteligente (e não somente porque citou o meu blog....rsssssrs). Realmente você colocou o foco da matéria enoturismo no que mais importa, ou seja a qualidade dos vinhos, e não somente um passeio entre vinhedos. Acontece que um cara vai lá visitar e: a vinícola é particularmente bonita, ta no exterior, curtindo as férias depois de um ano de duro trabalho, talvez com a nova namorada, e é claro que até um vinho mais o menos vai parecer fantástico. O detalhe é que nessas situações se acaba dando menos importância ao vinho em si. Talvez seja até justo assim, uma abordagem mais easy, mas também não podemos esquecer o motivo principal da nossa visita.
Grande abraço!

Nivaldo Sanches disse...

Grande Mario, obrigado pelos elogios, você é sempre muito generoso, como sóem ser os italianos ...

Esse tema é interessante - não achei nada explícito, na Internet, sobre o tipo de coisas que se deve focar em uma visita às vinícolas. Estou mesmo tirando tudo da minha pródiga cabeça ... risos ....

Você certamente terá contribuições a dar - naõ deixe de dá-las !

Abraços

Mario Trano disse...

Caro Nivaldo,

Tem coisas que não é permitido saber para nós comuns mortais, como inclusive a dos chips: ninguém vai admitir que usa chips nos vinhos, assim como ninguém vai dizer que usa aromas artificiais, taninos adicionados, chaptalization, uvas não permitidas e outras trapaceadas das quais falei no MondoVinho...Ali tudo vai parecer perfeito, pois eles não mostram o que acontece “nos bastidores”...
A minha dica, muito simples, é: gosta de uns vinhos da vinicola X? Então esta é a vinícola para visitar (mas mesmo assim procure saber mais sobre ela na internet). Já se quiser somente passear então até a Zuccardi serve...
Grande abraço!

Tião disse...

Nivaldo,

Estava eu fazendo algumas pesquisas sobre bodegas e vinhos, em preparação para nossa viagem à Mendoza, e de repente percebi que em varias delas, lá estava entre os primeiros sites do resultado das buscas, nada mais e nada menos que o "Vinho Todo Dia".

Parabens pelo sucesso do site.

[]'s

Nivaldo Sanches disse...

Caro Mario, obrigado pelos comentários, sempre pertinentes !
Sobre as visitas às vinícolas, acho que uma boa possibilidade é, ao contrário do que você sugere (ou em complementação a isso), visitar vinícolas cujos vinhos são pouco ou nada conhecidos por aqui ... Estamos de malas prontas para passar uma semaninha em Mendoza (embarcamos domingo) - e vamos visitar algumas vinícolas de que nunca ouvi falar - exatamente para conhecer os seus produtos. Uma delas é a Belasco de Baquedana, outra é a Tamisque.
Depois conto a vocês, aqui no blog, o que achamos !
Grande abraço !

Nivaldo Sanches disse...

Pois é, "Tião", eu também já notei isso que você comentou ... Não sei bem a razão, mas é comum encontrar nosso blog no topo das listas do Google - e olhe que eu não estou pagando ninguém pra isso acontecer ... risos ...
Bacana, né ?
Abraços - e até domingo, quando começamos nosso desgastante e cansativo tour pelas vinícolas de "Mendonça", como diz nosso amigo ...

Mario Trano disse...

Nivaldo,
A sua abordagem também é interessante, pode ser um pouco arriscada, mas as vezes as menos conhecidas são as mais promissoras. Não deixe de comentar!
Boa viagem e um grande abraço!

BUDOKAN disse...

Hola)!
Vimos tu blog sobre vinos y queríamos invitarte a escribir un post sobre el Torrontes argentino para participar en nuestro concurso Blogger of the Month. Tendrás la chance de ganar un viaje gratis a Argentina. Aquí está el link http://winesofargentina.org/bloggerofthemonth para más información ¡Esperamos leer el post en tu blog pronto!
¡Gracias!
Equipo de Wines of Argentina