segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Ainda a moqueca - experimentando harmonizações

Neste final de semana, Tereza fez outra vez uma bela moqueca de cação - moqueca baiana, daquelas com coentro, azeite de dendê, leite de coco.

Nosso queridos amigos de Campinas, a Cláudia e o Walther, estiveram com a gente - e vieram nos apoiar em uma duríssima tarefa : tentar combinar três tipos diferentes de vinhos brancos com a tal da moqueca, para testar qual deles se sairia melhor.

Da última vez que encaramos a moqueca, confirmamos por nossa própria experiência aquilo que a literatura recomenda : a combinação com um bom chardonnay. Se você não leu o relato dessa nossa primeira harmonização com moqueca, leia aqui.

Mas a gente padece de uma curiosidade infinita, fazer o quê ? ... O jeito é chamar os amigos e beber umas coisinhas diferentes, sempre tentando descobrir que vinho combina com qual comida. Tereza e eu chamamos esse nosso processo de BIP - a Busca Incansável do Prazer ...

E lá fomos nós, em mais uma etapa da BIP !

Começamos com um Terrazas de Los Andes Torrontés Reserva 2008. A torrontés é uma uvinha caprichosa, como já escrevi antes aqui no blog. No nariz, a gente sente aromas intensos de frutas e de flores. O sujeito pode jurar que vai bebericar um vinho adocicado - e na boca, ela em geral surpreende com sabores muito mais minerais e secos do que o aroma parecia indicar. Apesar disso, a combinação com a moqueca não foi boa - chegamos à conclusão que ficou apenas satisfatória. Se não chegou a existir conflito entre os sabores, também não houve aquele casamento perfeito que caracteriza a harmonização que deu certo.

O segundo vinho, já de maior responsabilidade, era da Alsácia : um Alsace Gewüztraminer Dopff & Fils 2009. Vinho delicioso : o aroma da gewürztraminer recendia a lichia e cítricos, mas também a especiarias. No entanto, a combinação com a moqueca, desta vez, definitivamente não aconteceu. Ao contrário : os sabores brigavam na boca, e o resultado foi ruim - pena, porque o vinho era realmente bom !



Para o final, como garantia de que chegaríamos a bons resultados, nós guardamos o que já tínhamos provado antes : um Altos del Plata Chardonnay 2009, também da Terrazas de Los Andes - e aqui a mágica aconteceu ... Combinação perfeita : a untuosidade do chardonnay casando com o molho rico da moqueca, e destacando os sabores delicados do peixe. As notas de frutas tropicais realçavam, por contraste, os sabores marcantes dos temperos exóticos - e todos ficamos felizes  satisfeitos ...

Fica aqui registrada, portanto, nossa opinião - para uma moqueca baiana, vá de chardonnay - não aqueles americanos, carregadíssimos na madeira, mas um argentino mais leve, mais delicado.

Ainda planejo, um dia, provar a moqueca com outros brancos - talvez um riesling, talvez um vinho verde português.

Afinal, a BIP não pode parar !

6 comentários:

Perfumes e Perfume disse...

Olá Muito interessante seu Post de harmonização de vinho e moqueca e e despertou-me muita curiosodade.
Não conheço muito de vinhos (mas tenho muita vontade de conehcer mais sobre o assunto futuramente)
Gosto muito do conteudo do seu blog e sempre que vou comprar um vinho visito para pegar uma referencia.

Abraços e Sucesso!
Adriana Alves

Nivaldo Sanches disse...

Ora, ora, Adriana,muitíssimo obrigado pelos seus comentários !

"Apareça" sempre por aqui !

Abraços

Quilis disse...

Oi Tereza e Nivaldo, gostei muito da matéria e lendo-a, fiquei com saudades dosvinhos da Alsácia. Eu nunca experimentei um Gewüztraminer nas refeições, sempre com sobremesas e aperitivos. Resolvi escrever porque lendo a matéria, lembre que na Dopff & Fils eu comprava um Riesling com Pinot que harmonizava maravilhosamente bem com a Paella da Alaide. Tente encontrar esse vinho por aqui e experimentem na próxima moqueca. Um abração

Nivaldo Sanches disse...

Olá, Quilis, obrigado pelas dicas - ainda mais vindas de quem viveu por lá, e pôde apreciar essas belezas da Alsácia sem ter de pagar as fortunas que são cobradas por aqui ...

Quanto à Gewürztraminer, uma boa dica é harmonizar esses vinhos com comida asiática - chinesa ou indiana. Vale a pena tentar !

Faz tempo que planejo provar um moqueca ou uma paella com Riesling ... ainda vou fazer isso, e aí comentarei o resultado por aqui.

Grande abraço !

Anônimo disse...

Nivaldo,e eu nem sabia que combinava moqueca com vinho pra mim era so com cerveja rs.
Preciosas dicas suas.abs Lucia Rj

Nivaldo Sanches disse...

Olá, Lucia, que bom "ver" você por aqui !!

Pois é, já li em outros lugares na net esse mesmo tipo de questão : será que esse troço de vinho não acaba virando obsessão ? A gente não deveria combinar moqueca com cerveja, feijoada com caipirinha, comida japonesa com saquê e ponto final ?

Bem, claro que sempre é possível fazer essas harmonizações clássicas e tudo vai dar muito certo. Mas há aqueles sujeitos - pobres de nós ! - que temos a compulsão de beber vinho a todo momento ...risos ...
Para pobres infelizes como este humilde escrevinhador, a saída é mesmo procurar, entre os infinitos tipos e variedades de vinhos, qual aquele que casa melhor com a comida, seja ela qual for ...

Ainda hei de escrever um post harmonizando vinho com pipoca ...

Beijos, venha mais vezes me visitar !