quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Peixe + ratatouille + vinho branco = ótimo !

Tereza continua inspirada e caprichando nos cardápios - desta vez, o jantar consistiu em um filé de peixe (st. peter) grelhadinho, acompanhado de uma deliciosa ratatouille. Antes que me perguntem, não estou me referindo ao recente desenho animado da Disney (é da Disney ?) e sim ao secular prato da cozinha francesa, mais exatamente da cozinha provençal, que consiste numa espécie de ragu de legumes. A ratatouille em si pode ser servida sozinha ou usada como acompanhamento para diversos pratos (tanto de peixes como de carnes), e pode ser servida quente ou fria.

As receitas variam bastante, mas a da Tereza foi executada com berinjelas, abobrinhas, tomates, pimentões vermelhos - tudo picadinho, e com muito azeite, muita cebola, muitos temperos variados.


Combinou otimamente com o peixinho grelhado, simples e saboroso.


E o vinho ? Bem, a opção natural seria por um vinho da Provence - afinal, se existe UMA regra da enogastronomia que vale a pena ser seguida, é aquela que fala da excelente harmonização que costuma acontecer quando você combina vinhos e comidas da mesma região. Não é à-toa : se a gente pensar na Europa, vai lembrar que os caras por lá estão combinando vinhos e comidas há uns 3.000 anos, pelo menos. É de se esperar que a esta altura eles já tenham realmente descoberto o quê combina com o quê ...

Na Provence, a ratatouille costuma ser servida com vinhos tintos, brancos e até rosados, dependendo dos acompanhamentos.

Mas não havia vinhos da Provence à mão, que pena !

Apelamos, então, para uma solução mais - digamos - doméstica : um vinho sul-americano. A opção foi por um Cousiño Macul Don Luis Chardonnay 2010, um branco chileno simples e de ótima relação custo / benefício (cerca de 35 reais).



Ficou ótimo : a untuosidade do chardonnay banhava os legumes carregados no azeite, o aroma frutado harmonizava bem com os sabores levemente adocicados das berinjelas e abobrinhas, a acidez do vinho realçava o sabor delicado do peixe.

Resumo da ópera : um prato simples de fazer, um vinho baratinho e uma excelente refeição - quer coisa melhor ?

Nenhum comentário: