sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

A complicada e deliciosa região da Borgonha

Nunca consegui entender muito bem a classificação oficial dos vinhos da Borgonha. Fui “obrigado” a viajar até lá para compreender melhor essa complicação toda (ah, quantos sacrifícios sou forçado a fazer para satisfazer a curiosidade de meus milhares de leitores …)

A Borgonha não é uma região especialmente bonita para ser visitada como turista – exceção feita à bela cidade de Beaune e à belíssima e riquíssima cidade de Dijon. A rota dos vinhedos propriamente dita não tem nada de especialmente bonita.

Já os vinhos … ah, os vinhos da Borgonha !! Só o fato de a gente ir rodando de carro pela estradinha e passando pelos mitológicos vinhedos e cidadezinhas (Montrachet, Nuits-Saint-Georges, Gevrey-Chambertin, Chassagne-Montrachet, Aloxe-Corton, Vosge-Romanée, Meursault …) já vale a viagem, para o pessoal que curte vinhos como Tereza e eu.

Mas, sim, a classificação !

Bem, a Borgonha é retalhada em alguns milhares de pequeninos vinhedos, que formam aquilo que os autores mais antigos (como o Saul Gavão) chamavam de mosaico borguinhão.

Os vinhos produzidos nesses vinhedos são classificados em quatro categorias :

  •        Os mais comuns são produzidos com as uvas plantadas nos vinhedos da planície – são os chamados genéricos, que trazem no rótulo apenas Bourgogne ou, no máximo, Bourgogne Pinot Noir. São bons vinhos, mas vinhos comuns – são os mais fáceis de serem encontrados por aqui, no Brasil, e não são muito caros.

  •        A seguir, vêm os vinhos mais típicos, ainda dos vinhedos da planície. Eles são chamados de village, e trazem no rótulo o nome da cidade onde estão localizados : Gevrey-Chambertin, Aloxe-Corton, Nuits-Saint-George, GivryPuligny-Montrachet, e assim por diante. Às vezes, os seus rótulos também trazem o nome de um vinhedo específico, abaixo do nome da village. Já são bons vinhos, e já são também vinhos um pouco mais caros.

  •        A terceira classificação abrange os vinhos produzidos a partir dos vinhedos que estão no início da encosta das colinas. Eles são chamados de 1er Cru, que é uma classificação superior, atribuída a um vinhedo específico. Na village de Gevrey-Chambertin, por exemplo, há 24 vinhedos que mereceram esta classificação. São vinhos, em geral, excelentes, e beeeeeem caros, ao redor de 50/60 euros. Mesmo por lá, na própria região, definitivamente não são vinhos pra todo dia …

  •        A quarta classificação – o top dos tops – inclui os vinhos provenientes dos vinhedos que estão mais no alto, no meio da encosta. Por receberem melhor insolação, e por conta do terreno, alguns desses vinhedos recebem a classificação máxima : são os Grand Crus. São os vinhos mitológicos, maravilhosos – e caríssimos ! Custam, em geral, acima de 100 euros, e podem chegar a 300, 400 euros facilmente. Imaginem o preço com que chegam ao Brasil ! Na village de Gevrey-Chambertin, apenas 14 vinhedos são considerados Grand Crus. Em toda a Borgonha, apenas cerca de 40 vinhedos merecem esta classificação.

Essa classificação se reproduz, mais ou menos, em cada uma das cerca de 20 cidadezinhas, ou villages que se estendem a partir de Dijon, em direção ao sul.  

Bom, isso foi o que eu consegui compreender. Não vou botar minha mão no fogo para garantir que esteja tudo certinho – correções de gente mais bem informada do que eu serão muitíssimo bem-vindas !


Nenhum comentário: