quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Você acha que já viu harmonizações exóticas ? Veja só esta aqui ...

Ontem, quarta-feira, voltamos a desfrutar de mais um delicioso jantar naquele que é hoje nosso restaurante japonês preferido - o Huto, em Moema.

Já falei do Huto em outros posts deste blog - se ficou curioso, leia aqui e aqui. É sempre um prazer renovado voltar ao Huto - seja pela comida excelente, seja pela sempre calorosa e gentil recepção do Fábio, seja pelo serviço sempre atencioso e profissional.

Por outro lado, a harmonização dos vinhos com a comida japonesa é um troço sempre complicado ...

No jantar de ontem conversamos com o Rafael, o sommelier do restaurante, e ele nos indicou um vinho pra lá de exótico : o branco Marjan Simcic Rebula 2009 - simplesmente, um vinho da Eslovênia ! Pra quem não sabe (eu não sabia !) a Eslovênia tem muita tradição na produção de vinhos : parece que eles produzem vinhos por lá há cerca de 2.400 anos.

A Simcic é uma das melhores vinícolas do país, e está localizada próxima ao litoral, na região de Primorje (que, a propósito, quer dizer exatamente "ao lado do mar"). A família Simcic produz vinhos por lá há algumas gerações, e o Marjan Simcic é hoje o enólogo responsável pelos vinhos. Parece que a pronúncia correta desse nome é algo como "marian simchich" - mas não boto a minha mão no fogo, não ...

Esta uva Rebula, apesar do nome estranho, é a mesma uva ribolla, bem mais manjada uva do Friuli italiano.

Muito bem - e que tal, o vinho esloveno ?

Gostamos muitíssimo ! O vinho tem um aroma delicado, de frutas e flores, talvez peras. O aroma é doce e engana a gente - na boca, o vinho não tem nada de adocicado. É um vinho untuoso, com uma boa acidez e um leve toque mineral.

A harmonização foi certamente a melhor que já provamos em restaurante japonês - pela primeira vez, o vinho casou bem com tudo o que comemos, desde os picantes rolinhos de camarões e vieiras até o quase cremoso sushi com atum grelhado e foie gras. Aquele tipo de harmonização que a gente adora, em que o resultado final realça a qualidade tanto do vinho quanto da comida.

Fica aqui nosso agradecimento eterno ao Rafael, que nos apresentou essa beleza cuja foto vai aí abaixo.






6 comentários:

Anônimo disse...

Putz agora fiquei tentado a ir neste japa fazer esta combinação. Nivaldo, o legal desta vida é a nossa ignorância, pois todos os dias há milhares de novas coisas a serem aprendidas, conhecidas e experimentadas. E é maravilhosa este tipo de surpresa e poder compartilhar com os outros. Afinal, um livro na estante não tem utilidade nenhuma. Ou como diria uma música dos Titãs: Não quero ser útil, quero ser utilizado. Sandro Delgado

Nivaldo Sanches disse...

Mas que ótimo comentário, Sandro ! É isso mesmo - cultura é conhecimento em movimento, são livros sendo lidos, trocados, manuseados, vinhos sendo experimentados, opiniões sendo revistas, velhos conceitos sendo revisitados.

Vá ao Huto, e mande um abraço ao Fábio e ao Rafael por mim - e depois compartilhe suas experiências com a gente !

Abraços

MondoVinho disse...

Grande Nivaldo,
Este vinho foi uma excelente escolha. Eu provei a linha inteira da Simcic no último Decanter Wine Show: todos realmente impressionantes. Os tintos também são ótimos, mas acho que os brancos tem algo a mais. Se puder experimente o "Teodor Belo Selekcija", corte de Ribolla, Sauvignon Blanc e Pinot Grigio.
Abração, meu amigo!

Nivaldo Sanches disse...

Grande Mario, sempre com ótimas dicas e sugestões pra gente se divertir !! Obrigado pelo comentário e pelas dicas - vou realmente atrás desses brancos do Simcic. Andei lendo um pouco mais a respeito deles, e parece que há uma razoável unanimidade sobre a qualidade - especialmente, como você diz, dos brancos.

Abraços !

Anônimo disse...

Nivaldo, uma pergunta: qual a sua opinião com respeito às rolhas de cortiça , de plástico e aos vinhos que vem sem rolhas (creio que são muito comuns nos vinhos da África do Sul) só com uma tampa de rosca?

Abraço,

Sandro Delgado

Nivaldo Sanches disse...

Olá, Sandro !

Sobre as rolhas, escrevi algum tempo atrás um post específico - leia aqui : http://vinhotododia.blogspot.com.br/2010/12/o-tema-das-rolhas.html

Resumidamente, acho que as screw caps, como são chamadas as tampinhas de rosca de metal, bastante comuns nos vinhos sul-africanos e neo-zelandeses, são um bom sucedâneo para as caras rolhas de cortiça, especialmente quando estamos falando de vinhos mais simples e jovens, do dia-a-dia. Pessoalmente, prefiro as screw caps do que essas horríveis "rolhas" de resina que vêm se tornando comuns nos vinhos chilenos e argentinos.

Vale a pena também ler o que escreveu meu amigo Mario Trano no seu blog, sobre este mesmo assunto : http://mondovinho.blogspot.com/2010/08/screw-cap-tem-certeza-que-e-ecologico.html

É isso aí !

Abraços !